o Porto em 7 percursos: a parte 2 do 2º ==> Largo da Rua Chá até a calçada de Vandoma

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp
No percurso anterior, terminamos com um café na Casa Alfredo Portista. O percurso continua com a caminhada pela rua Chã.

Lembre que os mapas dos percursos realizados estão neste link.

As fotos deste posts, na maior parte fiz em junho de 2020 e seguindo as indicações do livro Caminhar pelo Porto do autor Germano Silva. Vamos lá nesta 2ª parte, curta, com boas histórias e lindas paisagens.

Confirmo o que o autor diz que a Rua Chã mas parece uma praça do que uma rua. A placa com a indicação que está na foto a seguir é a indicação de que começamos no local certo.

Este local no início dos tempos da cidade era uma zona rural e tinha a identificação de Chã das Eiras, lá pelo final do século XIII. A importância vinha do espaço ter as cadeias da cidade. Aqui próximo, na Travessa da Rua Chã o nome era conhecido por Viela da Cadeia.

A arquitetura do lugar é bem semelhante as anteriores da rua  de Cimo de Vila que descrevi no post anterior. Observe nas duas fotografias em sequencia esta semelhança.

Ao final da Rua Chã está a Avenida D. Afonso Henriques e já consegue ter uma boa vista da lateral de Igreja da Sé do Porto. O sol estava bem forte neste dia 🌞.

Ao atravessar a avenida, esta a área lateral da catedral que é denominada como Calçada de Vandoma, como mostra a figura a seguir.

O motivo do nome é uma referência a porta da cidade medieval que estava nesta área junto com a imagem de Nossa Senhora de Vandoma. O que contam é que a imagem foi trazida da cidade francesa de Vendôme no século X na época o grupo de cavaleiros franceses ajudou a libertar o Porto do domínio dos Árabes.

Ao final da calçada em direção à igreja da Sé, vê-se do lado direito uma estátua do Conde Vímara Peres como homenagem à tomada do Porto que o Conde  comandou no ano 868, na reconquista do território frente aos Árabes, como mostra a foto a seguir.

Ao pé da estátua é possível ter uma visão do espaço da cidade voltado para o edifício da prefeitura  na avenida dos Aliados, para a Estação São Bento e para a Torre dos Clérigos, como mostram as 3 fotos em sequencia.

O autor chama atenção para o espaço da Igreja da Sé, em que foi construído uma espécie de varanda ao redor da lateral da igreja. Este anexo da igreja foi construído em 1736 e atribuído a Nicolau Nasoni. As 3 fotos a seguir ilustram esta parte lateral

Na parte interna, os detalhes são lindos, como mostra a fotografia abaixo

O trabalho dos detalhes que estão nesta parte da igreja é um obra de arte. Observe na foto a seguir. 😍.

De frente para a escadaria, em direção ao lado esquerdo, está o Chafariz de São Miguel o Anjo, do século XVIII, como ilustra a fotografia a seguir.

O autor chama atenção ao trabalho da grade ferro, obra também atribuída ao Nicolau Nasoni. Os detalhes são impressionantes.

Mesmo curto, esta parte do percurso tem muitas paisagens de tirar o fôlego. Já tive a experiência de assistir aos fogos da passagem de ano a partir deste ponto e foi emocionante! (As fotos deste momento ficam para outro post). Na foto abaixo tem a visão desta parte mais alta da cidade, em um lindo dia de sol.

E para finalizar a foto panorâmica com a paisagem dos telhados das casas. Muito lindo.

No próximo post da série, o passeio continua pela Rua de D. Hugo! Até a próxima.

 

admin

admin

Leave a Replay

Alertar no meu email