Em fotos – Caminhar pelo Porto: percurso 3 parte 4 ==> Entre a Alfândega e o Museu do Vinho

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp
Este percurso começa pela edifício da Alfândega Nova. Sua construção foi entre 1860 e 1870 para atender ao crescimento da cidade em termos econômicos.

No entanto o local escolhido fez desaparecer a Praia de Miragaia, além da Rua de Miragaia (que comentei no post anterior desta série) que perdeu a ligação direta com o Rio Douro.

O espaço hoje tem o edifício da Alfândega como na imagem a seguir.

Este espaço onde tinha o areal da praia de Miragaia chegou a abrigar um importante estaleiro naval. Um exemplo da sua importância data do século XV onde estavam os navios utilizados para conquistar Ceuta. O próprio infante D. Henrique esteve pessoalmente neste local, por volta de julho de 1415, conduzindo sua armada em direção ao Tejo e depois até Ceuta.

Hoje é um Museu. Vale a pena visitar, com algumas curiosidades sobre a época em que o espaço era mesmo uma Alfândega, como por exemplo o caso de uma viola com uma outra função que não a mais comum para ser uma viola. Adivinhem? Transportar azeite em seu interior, mas não pelos transmites normais! 🤣

O largo na parte da frente da Alfândega, olhe para a parte do alto do morro, para o prédio branco. É o Palácio das Sereias, como está na imagem abaixo. Também é conhecido como Palácio da Bandeirinha, devido a rua que está situado.

O nome é devido a duas enormes serias que estão na sua porta principal. E não, não tem esta fotografia porque teria que enfrentar as escadas das sereias e não faz parte da sugestão do autor (Ufa, ainda bem 😂, mas claro que já fui lá e acreditem, a vista é linda, espetáculo. Fica para outro post!).

Quando segue a caminhada pela avenida, o nome da rua muda para Monchique. Um dos motivos para este nome é devido a beleza do lugar (é bonito mesmo 🥰) ou seja, monte chique. No entanto, o nome tem origem em “Monjuich” que significa “montem judeicum” – Monte dos Judeus, cuja comunidade tinha presença nesta área da cidade.

O que acho fantástico é as residências bem ali perto da avenida tendo o Rio Douro para não ficar estressado.

 

Eu não ficaria chateada em estar em Home Office com esta vista 😍.

Vamos seguir a caminhada, já para o trecho final desta parte 4, que é o Museu do Vinho, bem ao lado deste prédio vermelho da imagem a seguir.

O edifício vermelho que hoje é posto da Guarda fiscal já teve várias funções, como parte do mosteiro, sendo a casa dos capelães e hospedagem para a família das freiras; serviços para o estado, como o trem militar, a intendência da marinha, repartições e armazéns da Alfândega, depósito  da pólvora, etc. Já abrigou atividades da Casa da Moeda. Espaço movimentado este 😁.

Já o Museu do Vinho pertenceu à rica família dos Pintos da Cunha, com o início da construção em 1781 e término só em 1798, com o objetivo de armazenar os vinhos do Alto Douro, destinados ao mercado brasileiro. Está na imagem a seguir um visão mais próxima do espaço.

Em 1822, com o grande movimento na área da Alfândega e assim este prédio passou a também servir de depósito dos produtos coloniais e do Brasil.

E assim termino esta parte do percurso 3. A parte 5 é do espaço denominado como Massarelos, com uma paisagem incrível.

admin

admin

Leave a Replay

Alertar no meu email